Memorias póstumas de Brás Cubas

   A história é narrada na primeira pessoa, do ponto de vista de um autor que se autodefine como um defunto-autor, ou seja, alguém que, após sua morte, decide relatar suas lembranças do passado. Ele age exatamente como um narrador-observador e protagonista da trama. Como ele transcende a vida terrena, está além das críticas e dos julgamentos de qualquer pessoa viva.

 

tags: teatro, são paulo, espetáculo, machado de assis

Por: Administrador

  • Compartilhe:

Você precisa estar logado para comentar!

Não tem cadastro? É rapidinho! Faça agora mesmo para poder comentar!

(11) 3463-0119 • (11) 96529-3227
®2011 • Todos os direitos reservados • by ideiaon